4 de março de 2024
Flona
Foto: Manoel Tonhá / ICMBio

Floresta Nacional de Brasília registra a presença de 10,5 mil ciclistas em setembro

Entre agosto e setembro deste ano, contadores eletrônicos instalados na unidade de conservação do DF registrou 10.419 passagens de bicicletas

Entre agosto e setembro, num período de 30 dias, foi realizado o primeiro monitoramento da atividade de ciclismo na Floresta Nacional de Brasília (Flona), no âmbito do Estudo de Diagnóstico do Uso Público por Ciclistas nas Unidades de Conservação. Foram utilizados contadores eletrônicos para dimensionar a visitação relacionada ao esporte, mostrando um número expressivo de ciclistas na Flona de Brasília.  

A iniciativa da pesquisa do Estudo de Diagnóstico do Uso Público por Ciclistas nas Unidades de Conservação é da Aliança Bike – Associação Brasileira do Setor de Bicicletas, em parceria com a Coordenação de Uso Público do ICMBio, Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Rede Trilhas, Eco-Counter e o Observatório do Cicloturismo. A contagem teve colaboração da Carcará Eventos e Desafio Flona. A pesquisa deve se repetir a cada ano para gerar uma série histórica e deve abranger outras unidades de conservação federais. A Flona de Brasília foi a primeira UC amostrada.  

A Floresta Nacional de Brasília tem entre seus atrativos a maior trilha de mountain bike sinalizada em unidades de conservação no Brasil, com 48 km por diferentes tipos de terrenos de estradas de terra a trilhas simples, com trechos técnicos, subidas e descidas em meio ao cerrado. O ciclismo é uma das principais atividades de uso público realizada na unidade de conservação, contribuindo para a conscientização ambiental da população que utiliza o território. Os dados levantados na pesquisa são subsídios para tomadas de decisão dos gestores da unidade e fundamentais para o aperfeiçoamento da qualidade da experiência dos visitantes.

“O objetivo da pesquisa é levantar dados de uso público com bicicletas e monitorar o fluxo de ciclistas nestas rotas e trilhas, consolidando uma série histórica e subsidiando melhores políticas públicas para estímulo tanto ao cicloturismo quanto ao Mountain Bike”, conta Daniel Guth, da Aliança Bike, responsável pela atividade. 

Foram registradas 10.419 passagens de ciclistas nas trilhas específicas para a atividade durante o período da amostra, resultando numa estimativa de no mínimo 5.209 ciclistas visitando a unidade de conservação em um mês. Os domingos são os dias com maior procura, tendo registrado o pico no dia 10/9, com 1000 passagens registradas. O horário de entrada da maioria dos ciclistas na unidade de conservação é no período da manhã, entre as 7 e 8 horas.  A partir dos dados coletados na amostra, a estimativa é de que Floresta Nacional de Brasília receba anualmente cerca de 75.000 ciclistas. Os dados também apontam que a visitação para ciclismo se concentrou nos finais de semana e feriados durante o período estudado.  

O monitoramento da atividade, com o levantamento dos números relacionados à visitação por ciclistas permite à equipe da UC relacionar níveis de uso a impactos ambientais e sociais, minimizar conflitos entre grupos de visitantes, identificar tendências de demanda pelos serviços, planejar instalações e serviços aos visitantes, planejar manutenção e manejo dos recursos e identificar a importância social, econômica e política do uso recreativo das áreas naturais protegidas pela unidade de conservação. 

Além da Flona de Brasília, outras unidades de conservação devem passar pela avaliação do estudo. As diretrizes para o monitoramento da visitação em unidades de conservação federais são estabelecidas pela Instrução Normativa ICMBio 5/2018. O monitoramento da visitação é fundamental para o planejamento institucional e o manejo do uso público.  

Fonte: ICMBio

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização