24 de fevereiro de 2024
Henrique Avancini
Henrique Avancini - Foto: Divulgação / Cannondale

Henrique Avancini busca sétimo título consecutivo na Copa Internacional de MTB

Prova é uma das mais tradicionais do País e atleta busca não só defender o seu título, como também se preparar para a Cape Epic, ultramaratona que será disputada na África do Sul

Entre os dias 5 e 8 de março ocorrerá a Copa Internacional de Mountain Bike, uma das competições mais tradicionais do MTB na América do Sul disputada tradicionalmente em Araxá, Minas Gerais. O evento terá esse ano mais de 40 modalidades em disputa e na principal prova, a modalidade Cross Country Olímpico (XCO), Henrique Avancini brigará pelo seu sétimo título consecutivo.

Depois de terminar a temporada 2019 na segunda colocação do ranking mundial da UCI (União Ciclística Internacional), Avancini se preparou nos dois primeiros meses do ano para o apertado calendário que terá pela frente. Serão grandes disputas em 2020, como Cape Epic, Copa do Mundo, Mundial XCO, Jogos Olímpicos e Araxá, que ele classifica como uma das competições mais gostosas de se participar por tudo que envolve a prova.

“Araxá é uma prova muito importante dentro do nosso calendário nacional, talvez seja a corrida mais emblemática que temos no Brasil. É uma prova Hors Class, então é a categoria máxima alcançável por uma prova que não seja uma competição da UCI, desta forma ela só fica abaixo da Copa do Mundo e do Campeonato Mundial. Só temos 5 provas no mundo nessa classe e esse é um evento especial eu diria, porque temos uma arena muito legal para competir, a participação dos melhores atletas da América Latina, presença de ciclistas europeus e norte-americanos…então é uma prova com nível muito alto, presença de público muito alto, contato muito próximo, e acho que isso que a torna tão legal”, comentou Avancini, atleta da equipe Cannondale Factory Racing, que na sequência explicou as dificuldades de se competir em Araxá.

Henrique Avancini
Foto: Bartek Wolinski / Red Bull Content Pool

“São quatro dias bastante intensos, uma das provas que mais demanda equilíbrio emocional. Uma corrida um pouco mais emotiva, então é difícil para o atleta se manter mais equilibrado, e eu gosto muito de competir em Araxá. Venci nos últimos seis anos desde que a prova se tornou prova por etapas, de múltiplos dias. Tem sempre uma grande ambição de todos atletas e é sempre muito difícil defender o título ali, por enquanto, tenho tido êxito nessa missão”, disse o atleta.

Após competir em Araxá, Henrique Avancini viajará para a África do Sul, onde no final de semana seguinte começará a Cape Epic. Maior prova de ultramaratona do mundo, o atleta disputará a competição mais uma vez com o seu parceiro de equipe, o alemão Manuel Fumic. Ano passado a dupla foi vice-campeã da prova.

Conquistar o primeiro lugar é o objetivo dos dois e, para ter êxito, Avancini enxerga em Araxá uma prova fundamental para sua preparação.

“Nesse ano chego para competir a prova (Araxá) uma semana antes da Cape Epic, que é o grande objetivo desse começo de ano, e espero usar a prova como construção de forma final para Cape Epic. Araxá tem uma importância dupla para mim esse ano, por ser uma prova importantíssima e por ser uma excelente chance de preparação final para Cape Epic”, finalizou o atleta.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização