2 de março de 2024

Dispositivo que converte transmissões mecânicas em eletrônicas começa a ser produzido

Composto por um trocador de marchas e um pequeno motor que aciona o câmbio traseiro, Archer D1x converte virtualmente qualquer modelo de transmissão mecânica em um sistema eletrônico sem fios

Uma pequena empresa localizada em Santa Cruz, no estado norte-americano da Califórnia, anunciou esta semana o início da produção de um novo dispositivo que permite converter virtualmente qualquer modelo de transmissão mecânica de bicicletas em um sistema de acionamento eletrônico sem fios.

Anunciado inicialmente há oito meses atrás, o Archer D1x é composto por um trocador de marchas wireless que controla remotamente um pequeno motor conectado ao câmbio traseiro por um pequeno pedaço de cabo de aço. Uma vez acionado via Bluetooth, o motor se encarrega de puxar ou soltar o cabo, permitindo a troca de marchas.

O sistema, que assim como nos câmbios eletrônicos de última geração utiliza baterias recarregáveis de lítio-íon, permite, de acordo com seus desenvolvedores, uma troca de marchas até 50% mais rápida do que em transmissões mecânicas, além de eliminar a necessidade de cabos, conduítes e fios elétricos.

Regulagem via smartphone – Fixado no chainstay do quadro da bicicleta por meio de dois pequenos tirantes, o Archer D1x pode ser facilmente instalado, mesmo por mecânicos sem experiência em transmissões eletrônicas. Sua regulagem é realizada remotamente por meio de um aplicativo para tablets ou smartphones, que permite ajustes finos individualmente para cada marcha, o que compatibiliza o sistema com praticamente qualquer combinação de câmbio e cassete, como no vídeo abaixo, cuja bicicleta está equipada com câmbio Shimano e cassete SRAM Eagle, normalmente considerados incompatíveis entre si:

 

Publicado por Archer Components em Segunda, 4 de dezembro de 2017

Com uma autonomia de até impressionantes 25 mil trocas de marcha por carga de bateria, o Archer D1x pesa, completo, 125 gramas e deverá ter sua produção em escala industrial iniciada no início de 2018, tornando-se então em uma alternativa econômica e versátil aos ainda caros grupos inteiramente eletrônicos, como os sistemas Shimano Di2, Campagnolo EPS e SRAM eTap.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização