21 de fevereiro de 2024
Kayllan Luiz Machado - Foto: Washington Alves / Exemplus / COB

Com roda e capacete emprestados, ciclista é ouro nos Jogos Escolares da Juventude

Kayllan Luiz Machado supera todos os obstáculos e detona 45 adversários para subir no alto do pódio. Apoio da família leva mineiro Cláudio Moreno à segunda colocação

Fluminense de Campos dos Goytacazes, interior do Rio de Janeiro, Kayllan Luiz Machado superou diversos obstáculos e conquistou a medalha de ouro no contra-relógio dos Jogos Escolares da Juventude Brasília 2017. Estudante do Colégio Estadual Benta Pereira, ele venceu a prova disputada na pista montada em frente ao Palácio Duque de Caxias, nesta sexta-feira, dia 17, com o tempo de 40s276.

“Esse ano eu ganhei um quadro, mas não tinha roda nem capacete. Meu amigo Jefferson me emprestou a roda dele e o Roni o capacete. E é assim que a gente vai conquistando espaço”

“Agora é só alegria. Com muita humildade e treinamento alcancei mais uma vitória. Não tenho patrocínio, conto apenas com a ajuda do meu pai, do meu professor Marcos Coutinho Ladislau e dos meus amigos. Ainda não tenho nem bicicleta. Nesse ano eu ganhei um quadro, mas não tinha roda nem capacete. Meu amigo Jefferson me emprestou a roda dele e o Roni o capacete. E é assim que a gente vai conquistando espaço”, disse o atleta de 15 anos.

O técnico Ladislau acredita no futuro do jovem atleta e torce para que ele seja convidado para treinar em uma grande equipe. Kayllan começou no ciclismo em sua escola e no ano passado disputou a sua primeira competição nacional: os Jogos Escolares da Juventude para atletas de 12 a 14 anos, em João Pessoa, quando conquistou duas medalhas de ouro, no contra-relógio e na prova de estrada.

Em Brasília, o jovem superou 45 adversários de todo o Brasil para voltar a subir no alto do pódio. A medalha de prata ficou com o mineiro Cláudio Moreno Valério Filho, do Colégio Batista de Varginha (MG). Os pais do atleta, Cláudio e Adrielle Mariano Moraes, e sua irmã, a pequena Antonella, de apenas um ano e sete meses, acompanharam a competição e vibraram com o seu resultado.

“É uma honra competir com os melhores ciclistas do Brasil e ainda subir no pódio. Com muito foco, fé, treinamento e sem deixar os estudos de lado qualquer atleta pode alcançar seus objetivos”

“É uma honra competir com os melhores ciclistas do Brasil e ainda subir no pódio. Com muito foco, fé, treinamento e sem deixar os estudos de lado qualquer atleta pode alcançar seus objetivos”, disse Cláudio. “Contei com a ajuda da minha família que viajou mais de 900km para acompanhar a prova. A presença da minha irmã caçula, meu chaveirinho da sorte, também ajudou muito”.

O gaúcho Lucas Gabriel Ramos, do Instituto Estadual de Educação Monsenhor Scalabrini, de Encantado (RS), completou o pódio. Os três receberam suas medalhas das mãos do Embaixador dos Jogos Escolares da Juventude, Henrique Avancini. Integrante da Seleção Brasileira de Mountain Bike, Avancini disputou os Jogos Olímpicos Rio 2016, e acompanhou toda a emoção das provas de ciclismo na Capital Federal.

“Eu já acompanhava os Jogos Escolares, mas pessoalmente é a primeira vez. Uma competição espetacular, uma grande experiência para os atletas e para mim também está sendo muito especial. Estou aqui para trocar uma palavra com todos os atletas, dar dicas, conselhos e até um consolo se for preciso”, disse Avancini, que acompanhará todas as competições do ciclismo, até domingo.

O Embaixador dos Jogos Escolares está em fase de pré-temporada para voltar a competir somente no fim de fevereiro de 2018, em Takwa, África do Sul. No dia 10 de março, ele disputa a primeira etapa da Copa do Mundo, principal evento do ano, também em solo sul-africano.

Além de Henrique, Leandro Macedo também estava presente no evento. O gaúcho de 49 anos é pioneiro no triatlo brasileiro. Ele conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos Mar del Plata 1995, ano de estreia do esporte em Pans. A técnica de triatlo Monike Azevedo, que mantém um Projeto Social com o seu nome na região dos Lagos do Rio de Janeiro, mais precisamente em São Pedro da Aldeia, também estava presente.

Assim como o técnico Renato Buck, um dos maiores descobridores de talentos do ciclismo nacional. Renato trabalha com o ciclismo desde 1973, e desde 1997 foca sua atenção às crianças na escolinha. “Na última edição dos Jogos Olímpicos, três dos quatro atletas que disputaram a competição na pista e na estrada passaram pela nossa escolinha, em Iracemápolis (SP). O Gideoni Monteiro, o Caio Godoy e o Cléber Ramos. A única exceção foi o Murilo Fischer”, disse Buck.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização