21 de abril de 2024
Gideoni Monteiro - Foto: CBC / Divulgação

Em 17º lugar no Mundial de Ciclismo de Pista, Gideoni Monteiro se classifica para a Rio-2016

Gideoni Monteiro será o único representante brasileiro no Ciclismo de Pista nas Olimpíadas Rio 2016. O ciclista cearense conseguiu a classificação ao finalizar o Campeonato Mundial da categoria, que está sendo realizado em Londres. Após três das seis disputas na Omnium, categoria que aponta o ‘ciclista completo’, Gideoni finalizou na 17ª colocação.

Com o resultado, o Brasil passa a ter representantes em todas as modalidades, já que o ciclismo de pista tinha sido a única categoria na qual o país-sede das Olimpíadas não havia recebido convite de participação.

De acordo com os critérios definidos pela União Ciclística Internacional (UCI), os 18 primeiros países do ranking olímpico após o Mundial terão vaga na Rio-2016. Mas há um limite por continente: oito da Europa, cinco das Américas, cinco da Ásia, dois da Oceania e um da África.

Atualmente, o Brasil é o 16º colocado mas, dos países que estão à sua frente, dez são europeus. Desta forma, com os descartes, o Brasil passa a ser o 14º colocado.

Das nações que vêm na sequência, apenas quatro (Hong Kong, México, Casaquistão e Coreia do Sul) participaram do Mundial. Ainda que perca essas quatro posições, o País fecharia o ranking olímpico em 18º, ficando com a última vaga no Rio-2016.

Gideoni Monteiro é o primeiro brasileiro a se classificar em uma olimpíada no ciclismo de pista desde 1992, quando Fernando Louro representou o país em Barcelona. Apesar de sediar os Jogos, o Brasil não recebeu convite para a Rio-2016 porque é uma prática na modalidade não distribuir convites, já que, diferente do atletismo e da natação, um competidor lento, retardatário, pode atrapalhar quem briga pelos primeiros lugares no velódromo.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização