25 de abril de 2024
Henrique Avancini foi o 26º colocado em Andorra - Foto: Divulgação

Após Mundial, Seleção Brasileira de MTB finaliza a temporada entre as 30 melhores

Mesmo com muita chuva e sofrendo na altitude, equipe conquista pontos importantes no ranking mundial

O Campeonato Mundial de Mountain Bike, que reúne os melhores pilotos da atualidade, já é uma competição de tirar o fôlego pelo alto nível dos competidores e pela complexidade técnica das pistas. Mas, nesta temporada, os atletas tiverem realmente que se superar. A chuva forte que caiu neste sábado (5) na pista de Vallnord, no Principado de Andorra, situado entre a França e a Espanha, dificultou ainda mais a vida dos competidores. Apesar do clima instável, a seleção brasileira de MTB se portou muito bem e com muita garra, finalizou entre as 30 melhores do mundo o percurso que estava a 1900m de altitude.

“Muitos atletas tiveram problemas por conta da chuva, mas isso não desanimou a equipe brasileira, que foi pra cima e buscou sempre realizar uma boa performance. Infelizmente o clima não contribuiu para ninguém, mas nós estamos muito felizes porque mesmo com tantas dificuldades conquistamos pontos importantes no ranking mundial e isso é muito bom para dar seguimento ao nosso planejamento de classificação para a Olimpíada do Rio/2016”, comentou Carlos Polazzo, técnico da seleção brasileira de MTB.

Na elite feminina, mesmo com uma prova durando cerca de 2 horas por conta do mal tempo, Raiza Goulão fez uma ótima prova e terminou como a melhor sul-americana na 28ª posição. Já Isabella sentiu bastante a altitude e acabou na 53a colocação. Os resultados colocaram o Brasil em 18º lugar entre 26 países. A campeã foi a francesa Pauline Ferrand, que fechou a prova em 1h52min44, seguida pela russa Irina Kalentyeva a 58s, e pela ucraniana Yana Belomoina, a 1min36s.

Enquanto isso, na elite masculina, Henrique Avancini fez uma ótima largada, se posicionando corretamente e se mantendo entre os vinte primeiros colocados por boa parte do percurso. Porém, os adversários não deram descanso, e Henrique terminou na 26ª colocação, sendo também o melhor atleta da America do Sul. O primeiro colocado foi o suíço Nino Schurter, que fez 1h29min22, com o francês Julien Absalon em segundo a 10s e o tcheco Ondrej Cink em terceiro a 1min15s. O Brasil somou 82 pontos e ficou na 20 posição entre 36 países.

“Estou contente pela boa performance após superar tantos problemas. Já estou recuperada da última lesão e me senti bastante confiante. Fiz uma prova sólida, sempre no top 20, mas tive alguns pequenos problemas mecânicos que fazem parte da corrida que acabaram me levando um tempo precioso. Sei que não fiz um mal resultado, mas com as condições que tínhamos acaba sendo muito positivo. Também preciso agradecer a todas as pessoas que estavam na pista torcendo, foi muito legal”, declarou Henrique.

Na Sub-23, Luiz Henrique Cocuzzi, uma das revelações do MTB brasileiro, realizou uma largada muito agressiva e se manteve entre os dez melhores até sofrer problemas mecânicos em sua bicicleta por conta da lama na pista, mas não desistiu da disputa para ajudar o Brasil, finalizando a prova em 42 lugar. O Brasil alcançou 43 pontos e ficou na 28 posição entre 36 países. O ouro foi para o neozelandês Anton Cooper, que terminou o circuito em 1h22min03, a prata foi para o francês Victor Koretzki a 2s, e o bronze para o britânico Grant Ferguson a 22s.

Fonte: Confederação Brasileira de Ciclismo

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização