18 de abril de 2024

6 maneiras infalíveis de danificar sua bicicleta

Demonstre algum afeto pela sua companheira inseparável evitando alguns erros clássicos de manutenção e conservação

Que a melhor maneira de conservar uma bicicleta todos já sabem (ou deveriam saber!). Entretanto, alguns hábitos particularmente perniciosos podem contribuir para a deterioração de sua companheira de pedaladas. Conheça-os aqui e evite-os a todo custo.

Não limpar corretamente a bicicleta

Limpeza

A limpeza regular não é apenas um questão estética, mas garante que seus componentes funcionem da maneira correta. Uma bike limpa permite uma inspeção mais cuidadosa do quadro e demais peças, nos dando assim a oportunidade de descobrir pequenos problemas antes que estes se tornem maiores.

Mesmo quando a lavagem é desnecessária, esqueça a tentação de largar a bicicleta em um canto logo após a pedalada e habitue-se a manter próximo ao local de descanso de sua companheira um pano macio que não solte fiapos (como retalhos de camisetas de algodão), para retirar o excesso de sujeira da corrente, cassete, coroas e polias do câmbio traseiro antes de relubrificar a transmissão.

Com um pano limpo e úmido, retire a poeira do quadro e dê uma atenção especial aos cabos e às canelas da suspensão, componentes que costumam se sujar com facilidade. Assim, você evita que detritos penetrem no interior dos conduítes e corpo do amortecedor.

Uma atenção especial ao quadro deve ser dada se você costuma carregar bebidas energéticas ou suplementares no porta-caramanhola de sua bike. Além de atacar a pintura do quadro se forem derramadas acidentalmente, essas bebidas açucaradas podem atrair um monte de sujeira, principalmente se escorrerem para a região da caixa de direção.

Lubrificação excessiva

Corrente

O atrito é o pior inimigo da bicicleta, interferindo no correto funcionamento dos cabos e da transmissão. Para diminuir o atrito, são utilizados lubrificantes nestes componentes.

Entretanto, o excesso de lubrificante pode causar um efeito contrário ao desejado, já que pode transformar sua transmissão em um imã para sujeira, que irá diminuir sua performance e aumentar o seu desgaste, agindo como uma ‘lixa líquida’ em seus delicados componentes.

Mesmo com a bicicleta aparentemente limpa, habitue-se a passar um pano seco na corrente antes de lubrificá-la novamente. Mas se a transmissão estiver muito suja, aí não tem jeito. Com o auxílio de escovas e produtos desengraxantes a base de água, limpe muito bem a transmissão e só após ela estar completamente seca aplique o lubrificante.

O processo de lubrificação deve ser minimalista. Aplique uma gota em cada elo da corrente. Após o procedimento, utilize as mãos para movimentar o pedivela e a corrente, permitindo que o lubrificante penetre internamente.

Em seguida, retire o excesso com o auxílio de um pano limpo.

No caso de lubrificantes a base de cera, o procedimento é diferente. no caso, a aplicação deve ser generosa, por toda a parte interna da corrente (que toca as engrenagens). Em correntes com um elo mestre, use-o como ponto de referência. Gire o pedivela no sentido anti-horário por algumas voltas e deixe secar.

ATENÇÃO! É imperativo que, uma vez aplicado na corrente, o lubrificante a base de cera seque completamente antes da paedalada. Ao tocar a corrente com o dedo, a mesma não deve estar umedecida, caso contrário, além de não funcionar corretamente, o produto poderá atrair sujeira.

Não calibrar corretamente os pneus

Pneu

Ignore solenemente as dicas daquele seu amigo de pedaladas que confere a pressão dos pneus pressionando os dedos contra as paredes laterais do mesmo. A arte de se calibrar corretamente um pneu é uma ciência, não uma adivinhação!

A melhor maneira de se calibrar corretamente um pneu é através de uma bomba de piso, ou melhor ainda, pela combinação da bomba com um manômetro. Um bom modelo digital de bolso não custa mais do que 50 reais nas boas casas do ramo é pode ser adquirido em qualquer boa loja de bicicletas.

A pressão correta de um pneu é determinada pelo seu volume, pelo peso e posicionamento do ciclista e pelas condições do terreno a ser enfrentado. Na dúvida, utilize como ponto de partida a tabela que elaboramos no artigo Acerte corretamente a pressão dos pneus de sua bike.

Calibre seus pneus todas as vezes em que for pedalar. Este conselho é particularmente importante para os usuários de pneus tubeless.

Negligenciar as manoplas

Manopla

Assim como o selim e os pedais, as manoplas são pontos de contato direto entre o ciclista e a bike. Com o tempo, as manoplas acumulam sujeira, terra, suor e eventualmente até sangue (!!!), tornando-as uma verdadeira cultura de germes, bactérias e outras nojeiras.

Limpe-as vigorosamente com uma escova, água e sabão e seque-as completamente antes de voltar a pedalar.

Uma manopla que não possua uma boa aderência com o guidão pode ser a causadora de acidentes desagradáveis. Dê preferência aos modelos do tipo Lock-On, que são parafusadas ao guidão, evitando assim que escorreguem.

Diferentes tamanhos de mãos requerem espessuras de manoplas diferentes. Evite a qualquer custo manoplas que não permitam o fechamento total das mãos ao seu redor, pois isto poderá prejudicar a pilotagem, além de causar formigamento e dormência.

Apoiar-se no top tube do quadro

Toptube

Este hábito é particularmente danoso em quadros de alumínio de dupla ou tripla espessura, já que o tubo superior do quadro (top tube) é particularmente fino em sua região central. Quadros de fibra de carbono de baixo peso também são vulneráveis.

Sentar-se no top tube ou mesmo apenas encostar a bicicleta apoiando-a pelo mesmo poderá causar danos como arranhões, trincas e até mesmo a quebra do quadro.

Evite a qualquer custo o uso de racks e suportes para bicicletas que a prendam pelo top tube. Se precisar encostar a bike em algum lugar, apoie-a pela roda traseira, cuja borracha do pneu irá impedir que a mesma escorregue.

Deitar a bicicleta pelo lado da transmissão

Gancheira

Quando precisar deitar a bike por algum motivo, jamais o faça pelo lado direito. Ao fazê-lo arrisca-se a empenar ou até mesmo quebrar a gancheira do câmbio traseiro, arruinando assim a sua pedalada.

Por outro lado, ao deitar a bicicleta pelo lado esquerdo, tome cuidado para que nenhum elemento contaminante (água, lama, óleo, etc) entre em contato com os rotores do freio, principalmente se estes estiverem quentes.

Para evitar problemas deste tipo, um boa sugestão, dada pelo ciclista e colaborador do MTB Brasília Silvio Sá, é ter sempre em mãos uma gancheira reserva, que pode ficar guardada junto com seu kit de ferramentas.

Para saber mais sobre esta peça, confira o nosso artigo A (quase sempre) negligenciada gancheira do quadro,

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização