25 de abril de 2024
Campanha quer colocar mais gente para pedalar na Dinamarca

Ciclistas: vexados em São Paulo, amados na Dinamarca

Por Margareth Marmori*

Enquanto a Justiça determina a paralisação das obras das ciclovias e ciclofaixas na cidade de São Paulo, aqui na Dinamarca, um dos países onde mais se pedala no mundo, uma nova campanha quer fazer ainda mais gente usar a bicicleta. Quatro prefeituras e diversas organizações não-governamentais e acadêmicas se juntaram numa campanha cuja meta para 2018 é aumentar em 1% o número atual de viagens de bicicleta feitas pelos dinamarqueses. Se bem-sucedida, os dinamarqueses farão 50 milhões de viagens a mais do que já fazem anualmente.

Foto: Divulgação / Ta'Cyklen
Foto: Divulgação / Ta’Cyklen

Por trás da campanha há um dado preocupante: embora o aumento do tráfico de bicicletas tenha aumentado na capital Copenhague, no resto do país pedala-se hoje 30 por cento menos do que se pedalava 30 anos atrás. Embora 9 por cento dos dinamarqueses pedalem diariamente, outros 14 por cento nunca pedalam.

Os organizadores da campanha intitulada “Pegue a bicicleta, Dinamarca” (“Ta’ Cyklen Danmark”, em dinamarquês) querem convencer os dinamarqueses a pedalar principalmente nas rotas curtas, de no máximo 5 km. Um em cada quatro dinamarqueses usa o carro diariamente e é esse grupo que a campanha pretende atingir.

Bons argumentos não faltam: a estatísticas mostram que os ciclistas vivem em média quatro a cinco anos a mais do que os não ciclistas. Além disso, pesquisas indicam que apenas 30 minutos pedalando por dia já são suficientes para diminuir o risco de doenças cardíacas, diabetes e câncer. Além dos argumentos, a campanha inclui eventos e sorteio de prêmios para ciclistas.

Foto: Divulgação / Ta'Cyklen
Foto: Divulgação / Ta’Cyklen

O estímulo do uso da bicicleta para transporte urbano na Dinamarca contrasta tanto com a oposição que as ciclovias e ciclofaixas vem recebendo em São Paulo que dá a impressão de que a cidade brasileira vive num outro tempo, com décadas de atraso em relação ao tempo vivido na Dinamarca.

Depois de ler sobre os argumentos da promotora Camila Mansour Magalhães da Silveira para solicitar a interrupção das obras à Justiça, concluo que, na melhor das hipóteses, ela agiu por ignorância. Mas, na pior das hipóteses, ela agiu politicamente para defender um pequeno grupo de cidadãos incomodados com a concorrência das bicicletas pelo espaço urbano. Em qualquer caso, uma ação lamentável.

Artigo originalmente publicado no Blog Desassossegos de uma brasileira na Dinamarca

Sobre a autora

A jornalista e especialista em comunicação pela web Margareth Marmori vive na Dinamarca desde 1997, com uma pausa de dois anos (2012 a 2014), quando viveu na cidade de Campos dos Goytacazes, RJ.

Em seu blog, Desassossegos de uma brasileira na Dinamarca, a jornalista relata as experiências e inquietações de uma brasileira distante de sua terra.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização