24 de abril de 2024
A polêmica afirmação do aposentado parece ser endossada pela Sociedade Amigos dos Jardins - Foto: Mayra Rosa / CicloVivo

Morador de bairro nobre de SP declara: “quem anda de bicicleta não presta”

As ciclovias implantadas na capital paulista têm contrariado parte da população que ainda não vê a bicicleta como uma opção de transporte e uma alternativa para aliviar o trânsito. O caso mais recente é de moradores da Rua Honduras, localizada no Jardim Paulista, que estão se unindo para impedir que seja implantada uma ciclovia no local, como já anunciado pela prefeitura em comunicado.

Apesar do esforço em demonstrar que as queixas referem-se à falta de consulta aos moradores ou à acusação de que não houve planejamento urbanístico na região, fica claro que os motivos das críticas são bem menos nobres.

“Se eu fizer um jantar e quiser receber meus amigos, onde eles vão parar?”, questiona Célia Furnari, principal articulista do movimento contra a ciclovia. Segundo a moradora, a rua é a única via de acesso que atravessa a Avenida 9 de julho até a Avenida Brigadeiro Luís Antônio. Mas, ironicamente, afirma que (para os ciclistas) é um lugar que “vai vir de lugar nenhum para lugar nenhum”. Vale ressaltar que, além de ligar à Avenida Paulista, a Luís Antônio é uma das principais vias da cidade para se chegar ao Parque Ibirapuera.

Para Ivany Zarzur, o principal empecilho é falta de educação. “Não temos estrutura. Na Europa as ciclovias são nas calçadas. Aqui as pessoas ainda não têm educação”. Já para o aposentado Francisco Augusto de Costa Porto manter a ciclovia é colocar a população em risco. “Quem anda de bicicleta não presta, hoje nós sabemos disso. São pessoas não qualificadas. Então vamos ficar sujeitos a esses riscos aqui?”.

Quem anda de bicicleta não presta, hoje nós sabemos disso. São pessoas não qualificadas. Então vamos ficar sujeitos a esses riscos aqui?”

A polêmica afirmação do aposentado parece ser endossada pela Sociedade Amigos dos Jardins, que está ajudando os moradores da Rua Honduras na pressão contra a via para bicicletas. De acordo com a administradora da organização, Dora Livolsi, a ciclovia vai atrair assaltantes.

Desde que as ciclovias começaram a ser implementadas na capital paulista, diversos moradores estão entrando com ações no Ministério Público contra as mesma. Alto da Boa Vista, Higienópolis e Planalto Paulista são alguns dos bairros mencionados. O que mais chama atenção é que as regiões são todas localizadas em áreas nobres da capital paulista.

Não é à toa que o assunto tomou conta das redes sociais. Diversos internautas rebateram as críticas, confira abaixo:

 

O projeto de implementar 400 quilômetros de ciclovias até o final de 2015 pode ser acompanhado aqui.

Fonte: CicloVivo

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização