16 de junho de 2024

O que é, para que serve e como funciona o movimento central

Poucos ciclistas dão a devida importância ao movimento central, também conhecido como caixa de centro. A verdade é que, embora negligenciado e escondido em relação aos outros componentes da bicicleta, sem ele, o acionamento do pedivela não seria possível.

O movimento central é o componente do grupo transmissor que permite o movimento rotacional do pedivela. Fica montado na parte inferior do quadro denominada tubo da caixa de centro, localizada na junção entre o tubo inferior, tubo do selim e os chainstays do quadro da bicicleta (para maiores informações sobre as partes componentes de um quadro, consulte o artigo Lição de anatomia: O quadro da bicicleta).

Nos modelos mais antigos, ainda utilizados por algumas bicicletas de uso recreacional, o movimento central é composto por um eixo central, equilibrado em uma jogo de rolamentos selados. Este eixo é encaixado e aparafusado no pedivela. Para este sistema, são utilizados os seguintes sistemas de engate, incompatíveis entre si:

Da esquerda para direita: engate quadrado, Shimano Octalink I, Shimano Octalink II e ISIS
Da esquerda para direita: engate quadrado, Shimano Octalink I, Shimano Octalink II e ISIS

No caso dos modelos mais modernos, são utilizados apenas dois jogos de rolamentos colocados diretamente em contato com o interior do tubo da caixa de centro, com o eixo central fazendo parte integrante do pedivela:

Conjunto pedivela / movimento central Shimano Deore. Note que o eixo do movimento central é parte integrante do pedivela
Conjunto pedivela / movimento central Shimano Deore. Note que o eixo do movimento central é parte integrante do pedivela

No que diz respeito à sua montagem no tubo da caixa de centro, o movimento central pode ser rosqueado (threaded) ou simplesmente encaixado (Press-Fit). Atualmente, a opção mais utilizada é a rosqueada, principalmente em quadros metálicos.

Já em quadros de fibra de carbono, geralmente é utilizado o sistema de encaixe (Press-Fit), que pode ser do tipo PF30, BB30, BB90 ou BB92. Os modelos BB30 e BB90 (exclusivo da marca Trek) utilizam rolamentos encaixados diretamente no interior do tubo da caixa de direção, enquanto que nos sistemas PF30 e BB92 os rolamentos são envolvidos em uma carcaça que é pressionada contra as paredes internas do tubo da caixa de direção.

No sistema PF30 utilizado pela SRAM, os rolamentos são alojados em uma carcaça de nylon ou alumínio
No sistema PF30 utilizado pela SRAM, os rolamentos são alojados em uma carcaça de nylon ou alumínio

Os modelos de movimento central BB30 e PF30 são utilizados com eixo incorporado ao pedivela com 30mm de diâmetro (por isso o número 30 em sua nomenclatura). A diferença entre estes dois modelos é que, no caso do BB30, seus rolamentos são instalados diretamente no quadro da bicicleta, enquanto que no PF30 os rolamentos são alojados em uma carcaça de nylon ou alumínio que por sua vez, é instalada no quadro.

O sistema BB92, também conhecido como Shimano Press Fit, utiliza rolamentos alojados em uma carcaça de nylon ou aluminum de 92mm de diâmetro, que é instalada por pressão no interior do tubo da caixa de centro. Esta medida, considerada como padrão por vários fabricantes, utiliza pedivelas com eixo de 24mm de diâmetro.

Vantagens e desvantagens dos sistemas Press-Fit – Para o consumidor, os benefícios do sistema Press-Fit não são aparentes. De fato, alguns fabricantes, como por exemplo a Santa Cruz, resistem ao sistema, alegando que suas desvantagem acabam por sobrepor as vantagens. Para os fabricantes, não precisar criar uma rosca no interior do tubo da caixa de centro economiza tempo e dinheiro, principalmente se tratando de quadros de fibra de carbono. É muito mais fácil para eles criar um tubo de caixa de centro lisa do que criar uma rosca no mesmo.

O maior problema encontrado em bicicletas que utilizam sistemas Press-Fit é relacionado com ruídos. Se a carcaça ou os rolamentos não estiverem apertados o suficiente, poderão deslizar durante pedaladas mais fortes, causando estalos irritantes a cada pedalada, principalmente se agentes contaminantes como sujeira e água estiverem instalados entre a carcaça dos rolamentos e o interior do tubo da caixa de direção. A instalação cuidadosa e o uso de produtos como Loctite podem ajudar a minimizar o problema, embora isto ocorra com muito mais facilidade em sistemas Press-Fit do que em sistemas de rosca convencionais. Além disso, a instalação inadequada pode vir a danificar o quadro.

A maioria dos quadros metálicos utilizam movimentos centrais rosqueados
A maioria dos quadros metálicos utilizam movimentos centrais rosqueados

Padrão – Com tantas opções disponíveis, que com frequência confundem mesmo os especialistas no assunto, fica difícil prever se haverá um padrão unificado de movimento central no mercado. Atualmente, o sistema Presss-Fit vem ganhando espaço, graças a crescente popularidade dos quadros de fibra de carbono.

O principal empecilho para a escolha de um padrão na indústria é que os dois maiores fabricantes de grupos de transmissão do mundo, a Shimano e a SRAM, defendem cada um seu próprio sistema, com a Shimano utilizando o BB92 e a SRAM o PF30. Somente o tempo dirá qual irá prevalecer, mas em um futuro próximo ainda teremos que conviver com essa “sopa de letras e números”.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização