15 de junho de 2024

Grupo promove passeios de bicicleta ao som de temas musicais

Pedal SonoroSe você mora em Niterói ou passou pela cidade nos últimos dois meses, é possível que tenha se deparado com ciclistas ouvindo música coletivamente, através de uma caixa de som, carregada por um deles. Em oposição à prática isolada de exercícios com o uso de fones de ouvido, surgiu em Niterói o Pedal Sonoro, um grupo de pessoas que se reúne para andar de bicicleta ao som de um tema musical previamente definido.

“Conheci o Pedal Sonoro através do Facebook, resolvi participar e ainda levei meus pais e minha irmã. O que mais me chamou atenção foi a parte da música”, revela a cantora e produtora Eduarda de Oliveira, de 22 anos.

A pré-estreia do projeto aconteceu em dezembro. Até agora, mais quatro edições foram realizadas e, a cada novo encontro, cresce o número de participantes.

“Amadureci a ideia durante alguns meses e, conversando com amigos que também gostam de pedalar, decidimos que era viável fazer o projeto. Nossa pré-estreia teve o tema de jazz/rock fusion e contou com cerca de 20 pessoas. Nas outras edições, ouvimos Jimi Hendrix, Led Zepellin, Novos Baianos e Bob Marley, percebemos o aumento de participantes de todas as faixas etárias e, hoje, somos mais de 70 ciclistas e mais alguns skatistas”, conta o cinegrafista Luís Araujo, de 34 anos, criador do Pedal Sonoro em Niterói. Ele explica detalhes sobre a organização:

“Não tivemos problemas para desenvolver o projeto, que não tem periodicidade definida, e a aceitação foi bem grande. Ocupamos as vias conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro e os motoristas, em geral, são compreensivos e incentivam. Os trajetos, em torno de 10 quilômetros, duram em média uma hora e são feitos num ritmo leve e descontraído. A concentração acontece no Cicloponto Icaraí, uma intervenção que fizemos no calçadão da praia, próximo à Reitoria da UFF”, conta.

A primeira caixa de som utilizada foi cedida por Luís, mas, na última edição, os ciclistas estrearam duas aquisições do grupo: uma nova caixa, que, daqui para frente, será usada com a antiga, e uma nova bicicleta cargueira, com espaços na frente e atrás. O caráter coletivo do Pedal Sonoro é outro ponto que desperta atenção. Embora tenha tido um idealizador, hoje, quase 10 pessoas estão à frente do projeto. A publicitária Lilian Rabelo, de 35 anos, é uma delas e atenta para o fato de outras temáticas defendidas pelo Pedal chamarem atenção.

“O Pedal Sonoro, inicialmente, reúne pessoas que apreciam bicicleta e música. Mas um grupo de pessoas pedalando alegres por uma cidade dominada por prédios e carros, além de uma atividade de lazer maravilhosa, é um ambiente para troca de ideias sobre o compartilhamento do espaço urbano e a mobilidade. Ao sairmos às ruas com nossas bicicletas, juntos, e curtindo um som, expomos claramente esta proposta, ainda que não de maneira convencional”, afirma.

Sob esse aspecto, o projeto também tem obtido sucesso. Ainda que seja independente e sem nenhum financiamento, não escapa à atenção dos órgãos públicos.

“Temos um diálogo consolidado com o poder público, que atua como um interlocutor. Na quarta edição, que aconteceu em janeiro, entregamos uma carta aberta à prefeitura, nas mãos do vice-prefeito Axel Grael, que esteve na nossa concentração. A partir daí, algumas melhorias já aconteceram, como a colocação de cones na ciclovia (em construção), na Avenida Amaral Peixoto, e a utilização de bicicletas por parte dos agentes da NitTrans, encarregados de fiscalizar as ciclofaixas”, completa Luís Araujo.

“A prefeitura tem total interesse no crescimento de grupos de ciclistas na cidade. Estamos montando um plano ambicioso para melhorar a estrutura cicloviária de Niterói. Temos feito vários encontros participativos para discutir nossas atividades”, garante o coordenador do Plano Niterói de Bicicleta na vice-prefeitura, Argus Saturnino.

Fonte: O Fluminense

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização