23 de junho de 2024

Descobrindo a roda (e seus componentes)

Um lição de anatomia sobre os principais componentes e medidas das rodas de bicicletas mountain bike

As rodas são um dos componentes que mais influenciam a aceleração, o peso e a estabilidade da bicicleta. Dependendo da configuração utilizada, a performance de sua bike poderá sofrer uma significativa melhora. Este é o motivo porque no momento da compra de um jogo de rodas novo precisamos dar atenção aos diversos números e medidas que as acompanham, como tamanho e largura do aro, tipo de blocagem, raios etc.

TamanhosTamanhos

Atualmente, dominam no mercado de rodas e aros para mountain bikes três medidas diferentes: 26, 27.5 (também conhecido como 650B) e 29 polegadas.

Alguns raríssimos modelos utilizam rodas e aros de 24 polegadas, geralmente utilizados em mountain bikes infantis de alta performance.

Cada um dos modelos oferece performance distinta em termos de peso, eficiência, controle, rigidez etc. Para conhecer um pouco mais do assunto, recomendamos a leitura de nosso artigo comparativo clicando aqui.

ArosTipos de aro

O aro do tipo Standard possui orifícios internos para poder acomodar os nipples dos raios. Após a montagem da roda e ajuste dos raios, uma fita protetora é colocada, cobrindo-os orifícios, evitando que a câmara de ar seja perfurada pelo nipple do raio durante a pedalada.

A grande maioria dos aros Standard são confeccionados em liga de alumínio, com alguns modelos topo de linha em fibra de carbono.

Os aros Tubeless foram desenvolvidos para serem utilizados sem câmara de ar. Devido a isto, não possuem orifícios internos em seu interior para que o ar não escape por aí. Suas paredes internas também são ligeiramente diferentes dos aros standard, oferecendo assim uma maior estabilidade ao utilizar pneus com pressões menores que as utilizadas em rodas com câmaras de ar.

Para saber mais sobre as vantagens da configuração tubeless em rodas de mountain bike, leia nosso artigo Pneus tubeless ou convencionais, eis a questão.

Ao se utilizar aros e rodas com a configuração tubeless, é necessária a utilização de uma válvula de ar especial montada diretamente no aro, que substituirá a válvula da câmara de ar.

O aro Tubular não é muito diferente dos modelos utilizados em bicicletas de estrada. Ao contrário dos modelos anteriores, não possui paredes laterais, pelo fato do pneu tubular ser colado ao aro. A grande vantagem do uso deste tipo de configuração é, sem dúvida, seu baixo peso, além de eliminar completamente a possibilidade de furos causados por perfuração do nipple do raio, conhecido como “snake bite” (mordida de cobra, em inglês).

Aro de Alumínio ou de carbono? – Aros e rodas de fibra de carbono são bonitas, muito leves e possuem uma rigidez superior ao aço, mas costumam ser extremamente caras. Além disso, são mais fáceis de se danificar, além de alguns modelos restringirem o peso máximo do ciclista. Atualmente no mundo da competição, tem sido a escolha de ciclistas de ponta do Cross-Country, embora já surjam modelos voltados para a disciplina do Enduro.

Via de regra, por menos da metade do preço que você compraria uma roda ou aro similar em carbono, é possível adquirir uma excelente opção em alumínio.

Largura de aros e compatibilidade com pneus

Basicamente falando, quanto mais largo for o aro, maior o aumento da estabilidade do conjunto roda/pneu. Por outro lado, é virtualmente impossível montar um pneu de grande largura em um aro fino e vice-versa.

Veja abaixo a tabela de compatibilidade para diferentes medidas internas de aro e largura de pneus:

Largura do pneu (em polegadas)
Largura interna do aro 1.8 1.9 2.0 2.1 2.25 2.35 2.4
17mm Sim Sim OK Não Não Não Não
19mm Sim Sim Sim Sim Sim Sim OK
21mm Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim
23mm Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim
25mm OK Sim Sim Sim Sim Sim Sim
27mm Não OK Sim Sim Sim Sim Sim
29mm Não Não Não OK Sim Sim Sim

 *O “OK” da tabela refere-se ao limite aceitável

RaiosRaios

Os raios são classificados conforme o descrito abaixo:

  • Clássico, com a cabeça curva, confeccionado em aço inox;
  • Butted, com diferentes espessuras, mais espesso em suas extremidades e mais fino no meio;
  • Retos, que aumentam sua durabilidade, porém requerem a utilização de cubos especiais;
  • Aero, que possuem perfil aerodinâmico

A rigidez de uma roda está diretamente relacionada com a enraiação e os raios utilizados. Diferentes montadoras optam por diferentes esquemas de enraiamento. A clássica inclui três pontos de contato – um no cubo e os outros dois nos raios adjacentes –, enquanto outros fabricantes, como por exemplo a Mavic, utilizam uma enraiamento cruzada para o lado do cassete e radial para o outro lado.

Nipples

A montagem dos raios nos aros da roda é realizado através de pequenas peças chamadas nipples, geralmente confeccionadas em alumínio, bronze ou aço. As duas últimas, embora mais pesadas que o alumínio, são mais estáveis e duram mais.

QREixo da blocagem

Este simples, porém eficiente mecanismo, permite a rápida montagem e desmontagem da roda da bicicleta em poucos segundos, sem o auxílio de ferramentas.

Com  surgimento dos formatos 27.5 e 29 polegadas, tornou-se necessária a utilização de blocagens com diâmetro maior, para aumentar a rigidez das rodas maiores.

O modelo mais comum no mercado é o eixo Quick Release – QR de 9mm, utilizada tanto em rodas dianteiras quanto traseiras, com o comprimento de 100mm e 135mm, respectivamente.

Rodas dianteiras são oferecidas no mercado com diferentes medidas de eixos QR, dependendo da suspensão utilizada, que pode ser de 15mm de diâmetro e 100mm de largura, ou a 20mm de diâmetro e 110mm de largura. Quanto maior o diâmetro, maior a rigidez, porém os dois modelos oferecem uma rigidez melhor devido ao fato de que ambos são atarraxados diretamente no amortecedor. Para a roda traseira, é utilizado um sistema semelhante, embora com apenas um diâmetro (12mm) – e três larguras opcionais: 135, 142 e 150mm.

O peso ideal

O melhor lugar para se tentar reduzir o peso de uma bicicleta é, sem dúvida, nas rodas. Ao diminuir o peso rotacional, aumenta-se a dirigibilidade da bike. Neste caso, portanto, menos é mais.

Porém, nem sempre isto é algo fácil de se conseguir. Um jogo de pneus e aros mais finos, um bom conjunto de cubos e um bom par de câmaras de ar podem fazer a diferença, mas a configuração também possui desvantagens como resistência menor, facilidade de se furar pneus etc. Basicamente, um bom par de rodas para competir no Cross-Country deverá pesar, no máximo, 2,3 kg (com blocagem, pneus e câmaras inclusas).

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização