18 de abril de 2024

Lição de anatomia: O quadro da bicicleta

Um quadro de bicicleta é composto por várias partes. Tubos com diferentes tamanhos e formatos, sejam ovais, elípticos ou hidroformados, utilizam entretanto a mesma nomenclatura, independente do tipo ou modelo de bicicleta. A imagem abaixo apresenta o nome de cada seguimento do quadro:

geometria

  • Tubo da caixa de direção ou headtube
  • Tubo superior ou top tube
  • Tubo inferior ou down tube
  • Tubo do selim ou seat tube
  • Chainstay: O seguimento inferior do triângulo traseiro do quadro
  • Seatstays: O seguimento superior do triângulo traseiro do quadro
  • Dropouts: local de encaixa das rodas traseiras (no quadro) e dianteira (no amortecedor ou garfo)

Alguns detalhes sobre os ângulos formados pelo tubo da caixa de direção e o tubo do selim:

O ângulo do tubo da caixa de direção influencia diretamente sobre a dirigibilidade da bike. Um ângulo mais fechado (entre 70 a 71 graus) é responsável por deixar a bicicleta mais ágil nas curvas, enquanto um ângulo mais aberto (entre 67 a 69 graus) deixará a bike mais lenta, porém mais estável.

O ângulo do tubo do selim está diretamente ligado às habilidades de subida de sua bikes. Uma angulação mais fechada (73 graus ou mais) irá facilitar a transposição de subidas mais técnicas, diminuindo a precisão nas descidas.

O comprimento do tubo superior irá determinar seu posicionamento na bicicleta. Um tubo mais longo permitirá uma pilotagem mais agressiva, porém, com menos conforto.

O comprimento do chain stay também influencia a dirigibilidade da bike. Um chainstay curto deixa a bicicleta mais ágil e permitirá que o ciclista consiga empinar a roda dianteira com maior facilidade. Um chainstay maior dará maior estabilidade à bicicleta, com a perda da agilidade.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização