21 de fevereiro de 2024

Dash Strike 9, um selim pra lá de esquisito, mas que funciona!

A fenda central é larga o suficiente para ser realmente efetiva, garantindo o fluxo sanguíneo na região genital
A fenda central é larga o suficiente para ser realmente efetiva, garantindo o fluxo sanguíneo na região genital

A Dash Cycles’, um pequeno fabricante da cidade de Boulder, Colorado, nos Estados Unidos, promete revolucionar o mercado de selins para bicicletas com um produto no mínimo curioso. Trata-se do Strike 9, um selim que utiliza um formato nada convencional e que, apesar sustentar confortavelmente ciclistas mais pesados e digamos, “bundudos”, pesa apenas 111 gramas.

O selim, totalmente feito a mão, possui a carcaça construída em fibra de carbono e é bem acolchoado na área de contato com os ossos da bacia. Seu estranho formato dispensa a maior parte da parte frontal utilizada por outros selins (o “nariz” do banco). Curiosamente, o selim possui uma espécie de “calda residual” na parte posterior.

Como não há a região do "nariz", os trilhos do selim unem-se a carcaça muito próximos a região de apoio, exigindo a utilização de canotes do tipo setback (projetados para trás)
Como não há a região do “nariz”, os trilhos do selim unem-se a carcaça muito próximos a região de apoio, exigindo a utilização de canotes do tipo setback (projetados para trás)

O formato diferenciado causa uma certa dificuldade em ajustá-lo corretamente na bicicleta, já que os trilhos do selim unem-se a carcaça do mesmo bem mais para trás do que em selins convencionais. O ideal neste caso seria a utilização de canotes de selim do tipo setback, como os da marca Thomson. Caso contrário, corre-se o risco do selim ficar muito projetado para a frente.

A parte que faz contato direto com os ísquios (ossos da pelve) é bastante confortável. Além disso, o fabricante oferece a opção de dois tipos de acolchoamento: tripla camada ou quatro camadas (que aumenta em 8 gramas o peso total).

A falta do “nariz” permite uma melhor liberdade de movimentos, já que a região interna das coxas do ciclista não fica em contato direto com o selim.

Comparação do posicionamento entre um selim convencional e o Strike 9. Nota-se nitidamente a ausência da região do "nariz" e a presença de uma "calda" no selim
Comparação do posicionamento entre um selim convencional e o Strike 9. Nota-se nitidamente a ausência da região do “nariz” e a presença de uma “calda” no selim

A fenda central é larga o suficiente para ser realmente efetiva, garantindo o fluxo sanguíneo em todas as posições de pedalar e evitando a sensação de dormência na região.

Atenção para os ciclistas que gostam de pedalar com bermudas de cores claras: a possibilidade de ficar com uma “marca de freada” ao passar com a bike em uma poça de água é um risco real e imediato!

O grande ponto negativo deste selim entretanto é o preço: 465 dólares, lá nos Estados Unidos!

 

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização