12 de junho de 2024

A importância de conferir a bike antes de ir para a trilha

Se existe uma coisa que pode arruinar a nossa pedalada é a ocorrência de problemas mecânicos no meio da trilha. Para evitar esse tipo de problema, é importante ter em mente que uma simples inspeção de rotina realizada antes de sair de casa pode, na maioria das vezes, evitar futuras dores de cabeça.

Além disso, fazer um checkup antes de enviar a bike para a revisão permite um maior controle sobre o serviço que foi realizado pelo seu mecânico (e sobre o que deveria ter sido realizado, mas por algum motivo não foi!).

Vamos começar pela parte dianteira da bicicleta:

Confira os apertos dos parafusos da mesa
Confira os apertos dos parafusos da mesa

Guidão – Confira o aperto dos parafusos que mantém o guidão preso à mesa. Caso necessário, utilize uma chave allen para apertá-los alternadamente, afim de manter o torque uniforme. Atenção! Evite o aperto excessivo, principalmente se o seu guidão for de fibra de carbono. Aproveite para conferir se não há sinais de rachaduras e amassados.

Centralizando a direção mediante o aperto dos parafusos da mesa
Centralizando a direção mediante o aperto dos parafusos da mesa

Mesa – Confira o aperto dos parafusos que firmam a mesa a espiga da suspensão/garfo. aproveite para verificar se o guidão está corretamente alinhado às rodas.

Verifique se os passadores e a manete de freio não estão soltos
Verifique se os passadores e a manete de freio não estão soltos

Passadores de marcha / manetes de freio – Verifique se os passadores e a manete de freio não estão soltos. Aproveite para verificar se as manetes de freio não estão encostando no guidão quando acionadas (nos freios hidráulicos pode ser sintoma de pastilha gasta e/ou fluido hidráulico vazando.

Conferindo o estado dos selos do amortecedor
Conferindo o estado dos selos do amortecedor

Amortecedor dianteiro – Dê uma boa olhada nos selos de seu amortecedor. Aperte os freios de sua bike e acione a suspensão com o peso de seu corpo várias vezes. Verifique se não há vazamento de óleo e se não há folga entre as canelas da suspensão e a parte externa, o que pode ser indício de que as buchas internas estão danificadas. Aproveite para conferir a pressão de ar do amortecedor, se for o caso (para saber mais sobre regulagens de amortecedores dianteiros, clique aqui).

Freios, rodas e disco de freio
Freios, rodas e disco de freio

Freios e rodas – Vamos agora o que pode ser uma das partes mais importante da bicicleta, os freios. Não importa o quanto sua bike é bacana, se os freios não funcionam direito, algo bastante desagradável poderá acontecer durante a sua pedalada.

Comece conferindo se as pinças de freios estão presas firmemente ao garfo e na balança traseira da bicicleta. aproveite para verificar se o disco do freio não está empenando a se as blocagens da rodas estão as mantendo firmes no lugar. confira se os parafusos que prendem o disco estão corretamente instalados. No caso de freios do tipo v-brake, confira de as sapatas estão alinhadas e em bom estado, se o cabo de acionamento está corretamente instalado. Gire as rodas e verifique se as mesmas estão alinhadas. Em caso de desalinhamento muito evidente, procure por raios quebrados.

Um tanto quanto óbvio, mas necessário dizer: Confira a pressão e o  estado dos pneus de sua bicicleta.

Balança traseira
Balança traseira

Pivôs e rolamentos – Caso a sua bike seja do tipo full suspension, verifique os apertos dos pivôs. Caso haja folgas, pnão tente apertá-lo por conta própria. Procure um mecânico de confiança que irá ajustá-los corretamente utilizando um torquímetro (se o seu mecânico não utiliza um torquímetro, lamento dizer, mas ele não é de confiança). O que é preciso ter em mente é que em caso de sobre aprteo, sos pivôs poderão ser danificados de maneira permanente.

Amortecedor traseiro
Amortecedor traseiro

Amortecedor traseiro – Confira a pressão de ar do amortecedor traseiro e cheque por vazamentos de óleo.  Aproveite para conferir se o dial de ajuste do retorno (rebound) está na posição correta.

O Câmbio dianteiro
O Câmbio dianteiro

Câmbio dianteiro – Utilize o passador do câmbio dianteiro para mover a corrente pra a coroa do meio e cheque o espaço entre o decarrilhador do câmbio e a coroa maior. Este espaço não poderá ser maior que 4mm ou menos que 2mm. Confira se o descarrilhador está paralaleo às coroas. Finalize verificando se não há corpor estranhos (folhas, galhos, pedras etc.) impedindo o correto movimento do câmbio.

Câmbio traseiro
Câmbio traseiro

Câmbio traseiro – confira se as polias do câmbio traseiro estão limpas e corretamente lubrificadas. Com a rodas levantada, utilize as mãos para girar o pedivela e confira se as marchas estão passando normalmente. Verifique se o cage (braço metálico onde ficam as polias) está corretamente alinhado.

Corrente
Corrente

Corrente – Procure por elos empenados ou travados na corrente. Se  corrente está empenada, deverá ser trocada. Lembre-se de que a vida útil de uma corrente é de 1000 km para uso em trilhas e 1500 km no asfalto.

Cassete
Cassete

Cassete – Procure por dentes dobrados e quebrados no cassete de sua bike. Se os dentes do cassete começa a parecer com dentes de tubarão, é porque passou da hora de se trocar o mesmo.

error: Textos, fotos, artes e vídeos do site MTB Brasília estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização